FANDOM


Walter Hartwell White (também conhecido como “Walt” ou pelo pseudônimo Heisenberg), foi um químico e um ex-professor de química em Albuquerque, Novo México, que, após ser diagnosticado com câncer pulmonar inoperável estágio 3, resolve fabricar metanfetamina para garantir a segurança financeira de sua família após sua morte. Ele é o personagem central da série, e é retratado como um protagonista, antagonista e anti herói. Conforme a série progride, Walter gradualmente se torna mais sombrio e assume um papel mais vilão.

Um químico promissor que contribuiu muito para o avanço da empresa Gray Matter Technologies, Walt deixou a empresa e vendeu o seu interesse financeiro por US$ 5.000. Os cofundadores da empresa, Elliott Schwartz e Gretchen Schwartz mais tarde se casaram e fizeram uma fortuna. Walt abriga rancor e culpa de Elliot e Gretchen por roubar o seu trabalho duro e contribuições para se tornar uma fundação altamente bem sucedida, sem dar a Walt qualquer crédito (segundo o próprio). Walt amargamente culpa Gretchen e Elliot por seus problemas financeiros e seu destino.

Por não saber nada sobre o comércio de drogas, ele contou com a ajuda de seu ex-aluno, Jesse Pinkman, para fabricar e, mais importante, vender sua meta. Seu conhecimento e sua dedicação o levaram para a produção de metanfetamina de pureza inigualável. Walt, eventualmente, desenvolveu um processo químico alternativo utilizando metilamina, dando ao seu produto uma cor azul. Seu cristal, batizado de "Blue Sky" por traficantes e usuários, instantaneamente começou a dominar o mercado. Enquanto Walt estava inicialmente evitando o uso da violência, ele gradualmente passou a vê-la como uma necessidade e, eventualmente, se desenvolveu como um traficante cruel motivado em grande parte pela vaidade, ego, e ganância. Dito isto, a sua preocupação com a sua família e lealdade com Jesse permanecem praticamente intactos.

História Editar

Walter Hartwell White nasceu em 7 de setembro de 1959. Quando Walter era jovem, a saúde de seu pai se deteriorou rapidamente após desenvolver a doença de Huntington, e todas as boas memórias que amigos e familiares tentaram implantar na cabeça do menino não suplantou a memória aterrorizante de visitar sua pai no hospital pouco antes de sua morte. Ele lembra o corpo torcido, os olhos vazios que não parecem se concentrar nele, o terrível cheiro de desinfecção do hospital, e sua respiração: Walter descreveu como "este som de chocalho, como se estivesse balançando uma lata de tinta spray vazia." Ele lembrou que está sendo testado para a doença de Huntington como uma criança.

Walter estudou no Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), com Elliott Schwartz, onde ele provou ser um brilhante químico com especialização em cristalografia de raios-X. Em 1985, a pesquisa pioneira de Walt sobre a radiografia de fótons contribuiu para um projeto que foi premiado com o Prêmio Nobel de Química, atribuído conjuntamente a Herbert A. Hauptman e Jerome Karle para realizações de destaque no desenvolvimento de métodos diretos para a determinação de estruturas cristalinas.

Depois de sua educação, Walter passou a co-fundar a Gray Matter Technologies com seu amigo, Elliott Schwartz. Neste momento, ele estava namorando sua assistente de laboratório, Gretchen. Por "razões pessoais" ele nunca explicou especificamente porque de repente deixou Gretchen durante um período de férias com a família dela, deixando ela e sua pesquisa pra trás. Walt vendeu sua parte da empresa para Elliott por US $ 5.000. Gretchen se casou com Elliot, e a Gray Matter tornou-se uma empresa altamente bem sucedida valendo bilhões de dólares, em grande parte como resultado de uma pesquisa de Walter. Walter acha que os frutos do seu trabalho duro foram roubados dele e amargamente, ele culpa Elliott e Gretchen por seus problemas financeiros e sua má sorte na vida apesar do fato de que era a sua própria decisão de deixar a empresa. Walter se recusa a reconhecer as próprias falhas para deixar Gray Matter e lamenta sua decisão de deixar e se vender por um preço muito baixo. Este viria a tornar-se um fator que contribui para a sua decisão de não abandonar seu império de metanfetamina.